Pular para o conteúdo
Início » Blog » O Médico pode Recusar um Atendimento de Emergência ?

O Médico pode Recusar um Atendimento de Emergência ?

    O Médico pode Recusar um Atendimento ou Procedimento de Emergência ? - Responsabilidade Civil - Responsabilidade Penal - Processo Ético-profissional - Danos à reputação - Defesa Médica Dr. Alessandro Caldonazo, advogado especialista em Direito Médico e da Saúde em Campinas, SP

    Recusa de Atendimento de Emergência: O que Fazer e Como se Proteger

    A recusa de atendimento médico em situações de urgência e emergência é um tema de extrema relevância para a área da saúde, gerando dúvidas e angústias tanto para médicos quanto para pacientes. É fundamental que os profissionais da saúde estejam cientes dos seus direitos e deveres nessas situações, a fim de agir com segurança e responsabilidade.

    1. O que configura uma recusa de atendimento de emergência?

    A recusa de atendimento de emergência ocorre quando um profissional da saúde se recusa a prestar assistência a um paciente que se encontra em uma situação de urgência ou emergência, mesmo quando há recursos disponíveis e a recusa coloca em risco a vida ou a saúde do paciente.

    1.1 Exemplos de situações que configuram recusa de atendimento de emergência:

    • Negar atendimento a um paciente com infarto agudo do miocárdio, alegando falta de leitos na unidade de terapia intensiva.
    • Recusar-se a realizar um parto de emergência, mesmo quando a paciente está em trabalho de parto ativo e a equipe médica tem conhecimento da situação.
    • Negar atendimento a uma criança com crise convulsiva, alegando que o caso não é grave o suficiente.
    • Deixar de atender um paciente com trauma grave, alegando que o hospital não possui um cirurgião de plantão.
    • Recusar-se a realizar um exame complementar solicitado por outro médico, alegando que o exame não é necessário.

    1.2 Diferenças entre recusa de atendimento e atendimento inadequado:

    É importante diferenciar a recusa de atendimento de um atendimento inadequado. O atendimento inadequado ocorre quando o profissional da saúde presta assistência ao paciente, mas o faz de forma negligente, imprudente ou imperita, colocando em risco a vida ou a saúde do paciente. Já a recusa de atendimento caracteriza-se pela omissão total de assistência, mesmo diante de uma situação de urgência ou emergência.

    2. Quais são os tipos de recusa?

    A recusa de atendimento de emergência pode ser classificada em diferentes tipos, de acordo com as circunstâncias em que ocorre:

    2.1 Recusa expressa:

    • O profissional da saúde verbaliza a recusa ao paciente ou a seus acompanhantes de forma clara e direta.
    • Exemplo: “Não vou atender esse paciente porque ele não tem plano de saúde.”

    2.2 Recusa implícita:

    • O profissional da saúde deixa de tomar as medidas necessárias para atender o paciente, como não realizar o exame físico, não solicitar exames complementares ou não iniciar o tratamento.
    • Exemplo: O médico se recusa a examinar o paciente, alegando que ele está muito ocupado.

    2.3 Recusa por falta de recursos:

    • Ocorre quando o hospital ou unidade de saúde não possui os recursos necessários para atender o paciente, como leitos, equipamentos ou medicamentos.
    • Exemplo: O hospital informa ao paciente que não há leitos disponíveis na unidade de terapia intensiva.

    2.4 Recusa por motivo ético:

    • O profissional da saúde se recusa a realizar um procedimento que ele considera antiético, mesmo que o paciente esteja ciente dos riscos e tenha consentido com o procedimento.
    • Exemplo: O médico se recusa a realizar um aborto, alegando que isso fere suas convicções religiosas.

    3. Quais são os riscos de recusar um atendimento de emergência?

    A recusa de atendimento de emergência pode gerar diversos riscos para o profissional da saúde, incluindo:

    3.1 Responsabilidade civil:

    • O profissional da saúde pode ser responsabilizado civilmente pelos danos causados ao paciente, como pagamento de indenização por danos morais e materiais.
    • Exemplo: O paciente falece em decorrência da recusa de atendimento, e sua família entra com uma ação judicial contra o médico.

    3.2 Responsabilidade penal:

    • Em casos graves, o profissional da saúde pode ser responsabilizado penalmente pelo crime de omissão de socorro.
    • Exemplo: O médico se recusa a atender um paciente com infarto agudo do miocárdio, e o paciente falece em decorrência da demora no atendimento. O médico pode ser condenado pelo crime de omissão de socorro.

    3.3 Processo ético-profissional:

    • O profissional da saúde pode ser submetido a um processo ético-profissional no Conselho Regional de Medicina (CRM), podendo sofrer penalidades como advertência, censura pública, suspensão do exercício da profissão ou cassação do registro profissional.
    • Exemplo: O CRM abre um processo ético-profissional contra o médico que se recusou a realizar o parto de emergência.

    3.4 Danos à reputação:

    • A recusa de atendimento de emergência pode causar danos à reputação do profissional da saúde, podendo afetar a sua credibilidade e carreira.
    • Exemplo: O caso de recusa de atendimento se torna público na mídia, e o médico sofre críticas e constrangimento.

    4. Como se proteger de acusações injustas de recusa de atendimento?

    Diante dos riscos citados anteriormente, é fundamental que o médico adote medidas para se proteger de acusações injustas de recusa de atendimento de emergência. Veja algumas dicas importantes:

    4.1 Documente tudo:

    • Sempre registre o atendimento em prontuário médico de forma clara, detalhada e objetiva, descrevendo o quadro clínico do paciente, a conduta adotada e o motivo da recusa, se for o caso.
    • Utilize formulários padronizados para registro de recusa de atendimento, que devem ser preenchidos de forma minuciosa e assinadas pelo médico e pelo paciente ou acompanhante, caso possível.

    4.2 Mantenha a ética e a conduta profissional:

    • Sempre trate o paciente com respeito e atenção, mesmo em situações de estresse ou pressão.
    • Aja de acordo com os preceitos do Código de Ética Médica e demais normas que regem a profissão.

    4.3 Busque suporte do hospital ou clínica:

    • Em caso de recusa por falta de recursos, informe a administração do hospital ou clínica e solicite que a recusa seja documentada e comunicada ao paciente ou acompanhante.
    • Verifique se o hospital ou clínica possui protocolos específicos para lidar com situações de recusa de atendimento.

    4.5 Tenha um advogado especialista em Direito Médico e da Saúde:

    • Contar com a assessoria jurídica de um advogado especialista em Direito Médico e da Saúde é fundamental para orientar o profissional da saúde sobre seus direitos e deveres, além de prestar suporte jurídico em caso de acusações injustas.

    O advogado especialista em Direito Médico e da Saúde possui ampla compreensão da legislação e dos normativos que regem a atuação dos profissionais da saúde. Ele pode auxiliar o médico nas seguintes situações:

    • Análise de casos: Avaliar se a conduta do médico se enquadra em uma situação de recusa de atendimento de emergência.
    • Orientação jurídica: Fornecer ao médico informações sobre seus direitos e deveres em situações de urgência e emergência.
    • Elaboração de documentos: Auxiliar o médico na elaboração de documentos que registrem a recusa de atendimento, como formulários e relatórios.
    • Defesa em processos judiciais: Representar o médico em processos judiciais decorrentes de acusações de recusa de atendimento.
    • Assessoria em processos ético-profissionais: Prestar suporte jurídico ao médico em processos éticos-profissionais no CRM.

    6.Conclusão:

    A recusa de atendimento de emergência é um tema delicado que requer cautela e conhecimento por parte do médico. Ao compreender os seus direitos e deveres, adotar medidas preventivas e buscar assessoria jurídica especializada, o médico pode se proteger de acusações injustas e garantir o melhor atendimento possível aos seus pacientes.

    Ter uma assessoria jurídica especializada é essencial para te proteger nos momentos cruciais que podem custar, infelizmente, sua carreira!
    • Postagens Recentes na Página :
    Bioética Médica: Uma jornada através do Dilema Moral - Dilema de Autonomia - Dilema de Beneficência - Dilema de Justiça - Princípios da Bioética - Dr. Alessandro Caldonazo, Advogado especialista em Defesa Médica e Direito Médico e da Saúde - Local: Campinas, SP
    Bioética Médica: Uma Jornada Através do Dilema Moral

    A bioética médica surge como um farol que ilumina a tempestuosa relação entre o profissional de saúd…

    Dano estético em cirurgias estéticas - Cirurgia Plástica - Harmonização Facial - Tipos de Danos - Requisitos para sua caracterização - Medidas para minimizar riscos - Dr. Alessandro Caldonazo, advogado especialista em defesa médica
    Dano Estético: Uma Abordagem Detalhada para Médicos

    Dano Estético em Cirurgia Estética: Uma Abordagem Detalhada para Médicos O dano estético, uma conseq…

    Violação do Sigilo Médico Definições, Abrangência e Limitações do Sigilo profissional Consequências e Tipos de Violações - Dr. Alessandro Caldonazo, Advogado especialista em Direito Médico e da Saúde em Campinas - SP
    Violação do Sigilo Médico

    Violação do Sigilo Médico: Desvendando os Riscos e Responsabilidades O sigilo profissional, tam…

    Precisa de ajuda?