Pular para o conteúdo
Início » Blog » Diretrizes Antecipadas de Vontade: Entenda o Testamento Vital

Diretrizes Antecipadas de Vontade: Entenda o Testamento Vital

    Diretivas Antecipadas de Vontade (DAVs) - Testamento Vital - Procuração para Cuidados de Saúde - Internação e Reanimação - Autonomia do Paciente - Procedimentos médicos - Dr. Alessandro Caldonazo, advogado especialista em defesa de médicos

    A autonomia do paciente em relação à sua saúde se torna cada vez mais importante em um mundo onde a medicina avança rapidamente. As Diretrizes Antecipadas de Vontade (DAVs), também conhecidas como Testamento Vital, são uma ferramenta importante para manter essa autonomia, especialmente em situações críticas ou finais de vida, onde a comunicação e a tomada de decisões podem estar comprometidas. O paciente expressa seus desejos sobre cuidados médicos, como procedimentos invasivos, tratamentos paliativos e fim da vida artificial, através dessa carta.

    Atuando como Advogado especialista em Direito Médico e da Saúde em Campinas-SP há mais de 15 anos, tenho acompanhado de perto a crescente importância das DAVs na prática médica. Já presenciei diversos casos em que as DAVs foram essenciais para garantir que os desejos dos pacientes fossem respeitados, mesmo em situações complexas e desafiadoras.

    Neste artigo pretendo abordar o tema de forma profunda e esclarecedora, focando nos tipos de DAVs, nos exemplos práticos de sua aplicação, e na complexa questão do que o médico deve fazer quando a família se recusa a obedecer às vontades expressas no testamento vital.

    Tipos de Diretrizes Antecipadas de Vontade

    As DAVs podem ser elaboradas de diferentes formas, adaptando-se às necessidades e preferências de cada paciente. As principais modalidades são:

    • Testamento Vital: É o documento mais comum de DAVs, onde o paciente manifesta seus desejos sobre os cuidados médicos que deseja receber em caso de incapacidade de comunicação. O testamento vital pode ser escrito à mão ou datilografado, e deve ser assinado por duas testemunhas e, preferencialmente, por um profissional de saúde.

    Exemplo: Um paciente com doença terminal redige um testamento vital detalhando seus desejos para o fim de sua vida. Ele manifesta sua vontade de não ser reanimado em caso de parada cardíaca, de receber cuidados paliativos em casa e de ser cremado após sua morte.

    • Procuração para Cuidados de Saúde: Através deste documento, o paciente designa um representante legal para tomar decisões sobre sua saúde em caso de incapacidade. O procurador deve ser alguém de confiança do paciente e que esteja familiarizado com seus valores e crenças.

    Exemplo: Um paciente que sofreu um acidente vascular cerebral e está com dificuldades de comunicação nomeia sua esposa como procuradora para cuidados de saúde. Ela terá a responsabilidade de tomar decisões sobre os tratamentos médicos que o paciente receberá.

    • Diretiva Antecipada de Internação: Neste documento, o paciente manifesta sua vontade de ser internado em um hospital específico ou de recusar a internação em caso de doença terminal.

    Exemplo: Um paciente com câncer em fase avançada, que prefere passar seus últimos dias em casa com a família, registra em sua diretiva antecipada de internação que não deseja ser internado em um hospital.

    • Diretiva Antecipada de Reanimação: Através deste documento, o paciente manifesta sua vontade de não ser reanimado em caso de parada cardíaca ou respiratória.

    Exemplo: Um paciente com histórico de doenças cardíacas e que teme sofrer uma morte dolorosa manifesta em sua diretiva antecipada de reanimação que não deseja ser reanimado em caso de parada cardíaca.

    Exemplos Práticos de Aplicação das DAVs

    As DAVs podem ser utilizadas em diversas situações, desde o tratamento de doenças graves até o fim da vida. Alguns exemplos práticos de sua aplicação são:

    • Paciente com doença terminal: Um paciente com câncer em fase avançada manifesta em seu testamento vital que não deseja ser submetido a quimioterapia e que prefere receber cuidados paliativos em casa.
    • Paciente vítima de acidente: Um paciente em estado de coma após um acidente de carro registra em sua procuração para cuidados de saúde que deseja que seu melhor amigo tome decisões sobre sua saúde, caso ele não se recupere.
    • Paciente com doença degenerativa: Um paciente com esclerose lateral amiotrófica (ELA) manifesta em sua diretiva antecipada de internação que deseja ser internado em um hospital específico que oferece cuidados paliativos de qualidade.
    • Paciente com doença cardíaca: Um paciente com histórico de problemas cardíacos registra em sua diretiva antecipada de reanimação que não deseja ser reanimado em caso de parada cardíaca.

    O Dilema do Médico Diante da Recusa da Família

    Em alguns casos, a família do paciente pode se recusar a obedecer às vontades expressas nas DAVs, gerando um dilema ético e jurídico para o médico. De um lado, o médico tem o dever de respeitar a autonomia do paciente e seguir as determinações do testamento vital ou da procuração para cuidados de saúde. Do outro lado, a família pode alegar discordância com os desejos do paciente ou, motivada por crenças religiosas ou emocionais, desejar prolongar a vida do paciente a qualquer custo.

    O que o Médico Deve Fazer?

    Diante dessa complexa situação, o médico deve adotar as seguintes medidas:

    • Documentação Completa: Primeiramente, o médico deve certificar-se de que as DAVs apresentadas pelo paciente ou por seu procurador possuem validade jurídica. O testamento vital deve estar assinado pelo paciente e por duas testemunhas, e a procuração para cuidados de saúde deve ser assinada pelo paciente e pelo procurador designado.
    • Diálogo com a Família: É fundamental que o médico converse com a família do paciente e explique a importância de respeitar a autonomia do paciente e suas vontades expressas nas DAVs. O médico deve demonstrar empatia pela situação delicada e tentar mediar um consenso entre a família e os desejos do paciente.
    • Documentação do Conflito: Caso a família persista em discordar das DAVs, o médico deve documentar o conflito por escrito, registrando a data, o teor da conversa e a posição de cada parte envolvida.
    • Assessoria Jurídica: O médico deve buscar orientação jurídica junto a um Advogado especialista em Direito Médico e da Saúde. O advogado experiente poderá analisar o caso concreto, avaliar a validade das DAVs e orientar o médico sobre os procedimentos legais a serem adotados.
    • Conselho Regional de Medicina (CRM): Em situações de impasse, o médico pode buscar o apoio do Conselho Regional de Medicina (CRM) de sua região. O CRM poderá fornecer suporte e orientação ética para a tomada de decisão.
    • Poder Judiciário: Como último recurso, caso não haja acordo entre a família e o médico, e se houver risco de dano iminente à saúde do paciente, o médico poderá, com o suporte do advogado especialista em Direito Médico, solicitar a intervenção do Poder Judiciário através de uma ação judicial. O juiz analisará o caso e tomará a decisão final, sempre priorizando o melhor interesse do paciente e o respeito à sua autonomia.

    A Importância de um Advogado especialista em Direito Médico e da Saúde

    Contar com o apoio de um Advogado especialista em Direito Médico e da Saúde é fundamental para o médico que se depara com o dilema da recusa familiar às DAVs. O advogado experiente possui o conhecimento jurídico necessário para:

    • Analisar a validade das DAVs: O advogado irá verificar se as DAVs estão de acordo com os requisitos legais e se possuem validade jurídica.
    • Orientar o médico sobre os procedimentos legais: O advogado irá orientar o médico sobre os passos a serem seguidos, seja na mediação do conflito com a família, na busca de apoio do CRM, ou na preparação de uma ação judicial.
    • Representar o médico em processos judiciais: Caso seja necessário recorrer ao Poder Judiciário, o advogado experiente representará o médico em todo o trâmite do processo, defendendo os seus direitos e interesses perante a Justiça.
    • Minimizar riscos jurídicos: A assessoria jurídica especializada contribui para a segurança do médico, minimizando os riscos de responsabilização civil por erro médico ou por descumprimento do dever de sigilo médico.

    Conclusão: Buscando Assessoria Jurídica Especializada

    Se você, médico, se deparar com uma situação de conflito familiar em relação às Diretrizes Antecipadas de Vontade (DAVs), não hesite em entrar em contato com um Advogado especialista em Direito Médico e da Saúde. O advogado irá auxiliá-lo nesse momento delicado. Podendo analisar o caso concreto, avaliar a validade das DAVs, traçar a melhor estratégia para o cumprimento da autonomia do paciente e garantir a proteção dos seus direitos e interesses.

    Nosso compromisso é proteger a sua carreira e te permitir focar no que realmente importa: o cuidado de seus pacientes.

    Ter uma assessoria jurídica especializada é essencial para te proteger nos momentos cruciais que podem custar, infelizmente, sua carreira!
    • Postagens Recentes na Página :
    Dano Estético em Cirurgia Estética Obrigação de meio e de Resultado - Dr. Alessandro Caldonazo, Especialista em Direito Médico e da Saúde
    Dano Estético em Cirurgia Estética

    O dano estético, consequência indesejada de um procedimento médico, especialmente em cirurgias estét…

    Direito dos médicos
    Direitos dos Médicos

    Como garantir todos os Direitos dos Médicos sem correr os principais riscos jurídicos da profissão m…

    Cirurgia Estética e a Obrigação de Resultados - Mitos e Verdades - Riscos e Responsabilidades
    Cirurgias Estéticas e a Obrigação de Resultado: Mitos, Riscos

    Realizar cirurgia estética com segurança em Campinas? Esclareça seus direitos e riscos! Assessoria m…

    Precisa de ajuda?