Pular para o conteúdo
Início » Blog » Entenda os limites da Autonomia Médica

Entenda os limites da Autonomia Médica

    Autonomia do Médico ao exercer sua profissão

    A autonomia médica é um princípio fundamental que concede ao médico a liberdade de tomar decisões clínicas com base em seu conhecimento, experiência e julgamento profissional, visando o bem-estar do paciente. No entanto, essa autonomia não é absoluta e deve ser exercida dentro dos limites da ética médica e da lei.

    Em situações de emergência médica, quando a vida do paciente está em risco iminente, a autonomia médica pode se sobrepor à vontade do paciente, mesmo que este tenha expressado sua recusa em determinados procedimentos. Isso significa que, em casos excepcionais, o médico pode tomar decisões que vão contra a vontade do paciente, desde que acredite que sejam as melhores chances de salvar sua vida.

    É importante ressaltar que essa autonomia médica em situações de emergência também tem seus limites. O médico não pode realizar procedimentos que sejam proibidos pelos órgãos regulatórios da medicina, mesmo que acredite que eles sejam a única chance de salvar o paciente. A realização de tais procedimentos, mesmo em situações extremas, pode levar a acusações graves, como imprudência médica e até mesmo homicídio culposo na esfera criminal.

    Em Campinas, os principais órgãos regulatórios da medicina são:

    • Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CRM-SP):Responsável pela fiscalização da ética profissional dos médicos e pela aplicação de sanções em caso de infrações.
    • Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA): Responsável pelo registro e pela liberação de medicamentos, dispositivos médicos e outros produtos de saúde.

    Para evitar problemas e garantir a segurança dos pacientes, é fundamental que os médicos estejam cientes dos procedimentos banidos pelos órgãos regulatórios da medicina. Essa informação pode ser obtida nos sites dos órgãos mencionados acima, bem como em livros, revistas e cursos de medicina.

    A jurisdição ética que rege a medicina permite que o médico, mediante o risco iminente de vida, aja contrário à vontade do paciente, concedendo-lhe autonomia para decidir como agir.

    Essa autonomia, em caso de emergência médica, se sobrepõe inclusive a documentos assinados pelo paciente, como é o caso do plano de parto.

    Porém, é importante destacar que essa autonomia também tem limites, e seu limite são os procedimentos aprovados pelos órgãos regulatórios da medicina. Procedimentos banidos, mesmo em situações de emergência, não podem ser usados com o objetivo de salvar vidas, estando sujeitos a acusações que vão desde imprudência médica, até homicídio culposo na esfera criminal.

    Portanto, estejam atentos aos procedimentos banidos, e mesmo em situações extremas, não os executem.

    • Postagens Recentes no Blog :
    Precisa de ajuda?